METÁFORA

“Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito” (Lucas 23.46). Jesus, que perdera a conexão com o Pai, sentindo-se por Ele desamparado, agora restabelece o contato e ora. Jesus é o mestre das histórias. Cada uma delas nos faz pensar em nossa própria vida. Jesus é o mestre das parábolas. Cada um delas conta a nossa própria história. Jesus é o mestre das metáforas. Nem mesmo na agonia, do Getsêmane ao Gólgota, ele abandonou as metáforas. Numa delas, ora: "Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito” (Lucas 23.46) Na verdade, não conseguimos falar das coisas mais importantes da vida sem o uso das metáforas. Não conseguimos falar sobre Deus, o Fundamento de nossa vida, sem o uso das metáforas. Chamar Deus de "pai" é também uma metáfora, porque Ele não é um pai no sentido biológico da palavra. Dizer que Deus tem "mãos" é uma metáfora, filha de nossa única maneira de falar dele, antropomorficamente. Entregar o próprio espírito a Deus é afirmar-se pronto para morrer. Trata-se de uma metáfora da rendição, uma vez que Jesus lutou para viver ("passa de mim este cálice" e "por que me abandonaste?"). Agora, ele se rende à vontade do Pai e se apresenta pronto para morrer. Jesus enfrentou o seu Getsêmane e dele saiu, vivo. Jesus enfrentou o seu Gólgota e dele saiu, morto. A história segue e ele sai vitorioso. Também passamos pelo Getsêmane, mas, como o nosso lugar não é lá, somos dele libertados na sexta-feira. Também passaremos pelo Gólgota, mas, como o nosso lugar não é lá, dele seremos retirados no domingo. No domingo da ressurreição.

Publicações Recentes

Tel.: (21) 2253-2849 / 2223-3288  |  E-mail: contato@ebaronline.com.br

© 2017 Escola Bíblica do Ar - Todos os direitos reservados.​

​Desenvolvido e customizado por MTV Developer - RJ/Brasil