top of page

O ESPÍRITO SANTO, PRESENÇA E ATUAÇÃO NO NOVO TESTAMENTO (Atos 2.1-47)

Introdução:

O Novo Testamento refere 220 (duzentos e vinte) vezes à pessoa do Espírito Santo pelo uso do seu nome. Apenas a carta de Paulo a Filemon e duas das epístolas de João não fazem referência a Ele. O livro de Atos dos apóstolos, que melhor seria chamado de Atos do Espírito Santo, é o livro do Novo Testamento que ocupa o maior espaço na apreciação da obra do Espírito. Já nos Evangelhos, João se destaca, inclusive com referências na primeira epístola e no Apocalipse.

 

No livro de Atos o ministério do Espírito Santo frutifica a cada página pela atuação da igreja que ele mesmo organizou e batizou (At 2 e I Co. 12:13). Foi o Espírito quem nomeou bispos e pastores e também capacitou o crente com dons espirituais. (At. 20:28, 13:1-2). Também aprendemos nas epístolas sobre a liderança do Espírito na formação de igrejas e na orientação das formas de serviço ao Senhor da igreja.

 

Aprendemos em Atos 2, que o derramamento do Espírito Santo acontece como cumprimento da profecia de Joel que diz: “E depois disso derramarei do meu Espírito sobre todos os povos. Os seus filhos e suas filhas profetizarão, os velhos terão sonhos, os jovens terão visões. Até sobre servos, e servas derramarei do meu Espírito naqueles dias”. Joel 2.28-29. A certeza absoluta de que se trata do cumprimento da profecia de Joel é a palavra do apostolo Pedro no verso 15 do mesmo capítulo, e é bom lembrar que Pedro estava cheio do Espírito Santo.

 

O texto de Atos 1.4-5 registra palavras de Jesus que chama o mesmo evento de batismo com o Espírito Santo. No verso oito, esclarece que naquele dia, os discípulos receberiam poder e esse poder seria para capacitá-los a testemunhar de Jesus, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia, Samaria, e até os confins da terra. Esse testemunho de Jesus encontraria grande resistência que só poderia ser quebrada se os seus ouvintes os visse realizando milagres em nome de Jesus. Diante disso o Espírito Santo lhes deu poder para realização de milagres. De acordo com Marcos 16.20 esses milagres foram necessários para CONFIRMAÇÃO da mensagem que pregavam.

 

O verso 01 do capítulo 02 diz que o cumprimento da promessa se deu no dia do pentecostes. “Pentecostes” é  o nome de uma das festas dos judeus, também chamada de festa das semanas. Por ser uma festa muito valorizada, Jerusalém estava com superlotação de turistas. Os versos 09-11 desse mesmo capítulo registram nada menos que dezesseis nacionalidades presentes em Jerusalém. Essa foi a grande razão para o Espírito Santo dar poder aos discípulos para falarem das grandezas de Deus nas línguas daquelas nações que ali estavam. Isto quer dizer que desde essa primeira experiência com manifestação de línguas esse dom do Espírito SEMPRE foi para falar línguas humanas.

 

Na pregação de Pedro, argumenta que o derramamento do Espírito aconteceu por causa da ressurreição de Jesus e os dois fatos comprovam que Jesus é Senhor e é o Messias. A multidão estava perplexa diante da manifestação do dom de línguas. Uns testemunhavam dizendo: “Sabemos que são galileus esses homens que estão falando, contudo cada um de nós os ouve na própria língua materna”. Outros zombavam dizendo que eles haviam bebido vinho demais. Contudo o que precisa ser visto é que com a mensagem de Pedro, a multidão se rendeu a Cristo e o verso 41 diz que se converteram e foram batizadas cerca de três mil pessoas.

 

Uma observação importante nesse texto está no verso 43 quando diz que muitas maravilhas e sinais eram feitos pelos apóstolos. Também está assim em 5.12. Em todo o Novo testamento, o poder de realizar milagres é privilégio dos apóstolos. Chega a ser uma marca que identifica um apostolo: “De fato, as características de um apóstolo foram manifestas entre vós com grande perseverança, por meio de sinais, feitos extraordinários e milagres” 2 Coríntios 12:12

 

A história da igreja está marcada por uma polêmica sem fim a respeito da dádiva do Espírito Santo à igreja e seu resultado na vida dos crentes. Pouco se fala sobre o resultado dessa dádiva divina na salvação do mundo e esse devia ser o foco principal de qualquer debate sobre essa dádiva.

Um dos pontos dessa polêmica é sobre a possibilidade ou não de haver o batismo com o Espírito Santo na vida de alguém que já é salvo. A melhor, mais honesta, e responsável resposta a essa indagação, é que ninguém pode ser salvo, sem ser selado com o Espírito Santo, e ninguém pode ser selado com o Espírito Santo, sem ser salvo. Concluímos, então, que a bênção da salvação e a bênção do batismo com o Espírito Santo acontecem simultaneamente. Uma não pode antecipar a outra: “... depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação e tendo crido em Cristo, fostes selados com o Espírito Santo da promessa”. 

 

É importante notar a diferença que Jesus faz entre ter o Espírito Santo habitando CONOSCO e tê-lo habitando EM NÓS. Habitar conosco, ele habita desde a fundação do mundo. Habitar conosco, significa habitar entre nós. Habitar em nós, só após o dia do pentecostes e só para aquele que já é salvo: João 14.17.

 

À medida que a obra de santificação vai se realizando em nossas vidas, vai aumentando a possibilidade de sermos usados pelo poder do Espírito para manifestações sobrenaturais do poder de Deus.

 

Essas manifestações sobrenaturais não serão o foco na mente de quem está sendo santificado pelo Espírito Santo. O crente santificado sabe que o poder sempre será só de Deus e que manifestar seu poder sobrenatural através de nós é assunto exclusivo da administração dele. ELE VAI FAZER ISTO SE QUISER, QUANDO QUISER, COMO QUISER, sem que nem mesmo estejamos esperando. A ansiedade por manifestações sobrenaturais é fruto do pecado.

 

Para tomar uma atitude.

 

  1. A maior ou menor possibilidade de realizarmos grandes coisas para o Reino de Deus pelo poder do Espírito Santo, está na proporção: a) do nosso conhecimento da Palavra. Você viu como Pedro revelou conhecimento detalhado da Palavra em sua mensagem? Sem isso o Espírito que habita em nós não pode fazer nada; b) da nossa disponibilidade para uso do Senhor. O crente tem que querer ser instrumento do Espírito.

 

  1. O ato da nossa salvação pela fé em Jesus é marcado pela dádiva do Espírito Santo. Essa marca do Espírito Santo quer dizer que estamos santificados. A palavra “santificação” significa separação de e ou para. Então, a dádiva do Espírito Santo significa que estamos separados da lista dos que serão condenados eternamente, sem Jesus e ao mesmo tempo, significa que estamos separados eternamente para viver com Deus em seu Reino. Esta é a primeira obra de santificação que o Espírito Santo realiza em nossas vidas. A segunda é separar-nos do poder do pecado, isto é, separar-nos para a vida de Deus, desde agora.

 

Essa santificação Ele só realiza através do conhecimento e obediência à Bíblia.

Comentarios


bottom of page