top of page

O MELHOR ESTÁ POR VIR

Esta é a nossa última meditação neste ano. Estivemos concentrados em falar sobre o Natal e esperamos que este tenha sido um natal feliz e abençoado pelas mãos do Senhor. Agora nos debruçamos sobre o novo ano que se inicia e pensamos: o que há de ser de nossas vidas?

 

Algumas pessoas sentem-se velhas e gastas, sem muitas esperanças de um novo ano abençoado e cheio de felicidade. Tais pessoas pensam que o melhor já passou, que a saúde já não ajuda, que os filhos cresceram e agora moram longe, que não há mais saúde para desfrutar de vitalidade plena e cheia de significado.

 

Talvez para muitos seja assim. Mas não para Jó, o homem da paciência, descrito num livro que leva o seu nome e que conta a biografia deste homem de Deus tão especial e real. A despeito de muitos que o chamam de fábula e de conto, nós cremos piamente que ele existiu, pois o próprio Tiago, meio-irmão do Senhor Jesus Cristo o menciona como exemplo para a nossa própria fé:  Eis que temos por bem-aventurados os que sofreram. Ouvistes qual foi a paciência de Jó, e vistes o fim que o Senhor lhe deu; porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso. (Tg 5:11)

 

Esse homem era   próspero, com uma prole imensa e com o reconhecimento de seu próprio povo como um grande líder e exemplo. Era consagrado a Deus e sacrificava pelos filhos, pois, caso tivessem cometido algo que não fosse do agrado divino ele estaria ali para interceder por eles. Era generoso para com os pobres, ajudava na execução da justiça para com os de sua cidade e tinha rebanhos imensos. Sua vida era boa. Contudo, por inveja de Satanás tudo veio abaixo.

 

Sem entrarmos nos detalhes dessa história, que um dia há de nos servir de tema para outra meditação se Deus permitir, ele perdeu tudo. Perdeu rebanhos. Perdeu propriedades. Perdeu os filhos. Por fim perdeu a saúde. Só não perdeu a sua verdadeira e profunda fé em Deus, a sua total e completa devoção ao Senhor. Ele declarou: Nu saí do ventre de minha mãe; nu para lá voltarei. Deus deu, Deus tirou; bendito seja Deus”. Que fé! Que devoção! Que consciência profunda na graça e na justiça divinas! Eu conclamo ao leitor para que vá à sua bíblia e leia a história de Jó e todos os seus diálogos interessantíssimos, onde ele fala sobre a vida, sobre a morte e sobre a justiça divina. Ele dialoga consigo, com os seus amigos e, ao final Deus fala com ele.

 

E qual foi a conclusão da história? Deus teve misericórdia dele. Concedeu a graça da cura de todas as suas enfermidades. Deu-lhe generosos presentes por parte de familiares e amigos. Deu-lhe nova prole, com as filhas mais lindas de todo o Oriente. Diz-nos a bíblia que ele viu os filhos dos filhos em avançada idade! Isto significa uma só coisa: o fim foi melhor do que o começo! A sua velhice foi mais próspera, mais feliz e mais viva do que o seu tempo de meia idade!

 

Prezado leitor, um novo ano está para vir. Bem pode ser que você esteja se sentindo velho, enfermo, depressivo, sem motivação. Em sua mente o melhor já passou. Em seu coração a vida já está em seu final. Para você quase nada agrada, tudo é sinal de que os seus dias estão no fim e de que não há o que celebrar.

 

Não pense assim! O melhor pode ser o final, e muito mais intenso e bom! Jó foi um homem de vida muito abençoada. Passou por um revés inexplicável aos olhos humanos. Há coisas pelas quais passamos cuja explicação só teremos na eternidade. Julgamos não termos sido tratados com justiça, com equidade, com equilíbrio. Mas creia-me: se formos fiéis ao Senhor, se dedicarmos o nosso coração a Deus, se buscarmos primeiro o Seu Reino e a Sua justiça, o novo ano que nos será acrescentado poderá ser magnífico, muito melhor do que todos os demais que já vivemos! Cabe a nós confiarmos no Senhor, cabe a nós esperarmos no Senhor.

 

Os judeus, quando regressaram da Babilônia após setenta anos de cativeiro choraram ao ver a pobreza da construção do novo templo. Eles conheceram o templo que Salomão construíra e a glória daquela construção tão grandiosa. O que viam agora poderia ser chamado de casebre à luz do que havia antes. Mas o que Deus disse sobre esse templo: A glória do segundo templo será maior do que a do primeiro”. E por que? Porque o próprio Deus viria ali, na pessoa de Jesus, nesse templo novo, reformado por Herodes. Assim também Deus pode fazer com que a glória de nossa vida neste novo ano, ainda que não estejamos no apogeu de nossas forças físicas, ainda que não haja mais a juventude de outros tempos, poderá ser maior do que os anos do começo, pois agora temos a maturidade, a experiência, a confiança no Senhor, a Sua graça e também a sua bênção em cada minuto vivido.

 

Prezado leitor, independentemente de sua condição física, financeira ou social, deixe Deus dar a você um novo ano que seja melhor do que tudo o que você já experimentou. Peça a Deus para escrever a sua história.

Comments


bottom of page